Sobre

Notícias

Fique por dentro das notícias, dicas e informações médicas
de Umuarama e Região.

Médicos deixarão planos aos poucos

Postado em 30/Jun/2011

Médicos deixarão planos aos poucos
Reportagem de hoje da Gazeta do Povo: SAÚDE SUPLEMENTAR Médicos deixarão planos aos poucos O descredenciamento é individual e difícil de acompanhar. Amil, Fundação Copel e Unimed estão entre os alvos principais Publicado em 30/06/2011 | O anúncio da Associação Médica do Paraná (AMP), do Conselho Regional de Medicina (CRM) e do Sindicato dos Médicos do Paraná (Simepar) de que os médicos optaram por sair dos planos que não aceitaram as reivindicações de reajuste de honorários não encontra ainda alvos exatos. Mas algumas das 14 especialidades que participaram da assembleia de terça-feira à noite, na sede da AMP, apontaram a Amil, a Fundação Copel (parte da União Nacional das Institui ções de Autogestão em Saúde, a Unidas) e a Unimed como alvo. O procedimento é essencialmente individual, o que torna a movimentação difícil de ser acompanhada. Ontem, quatro profissionais enviaram cópia de seus pedidos de descredenciamento à AMP e outros 30 associados comunicaram que estão prestes a fazê-lo, segundo o assessor jurídico da entidade, o advogado Fabiano Araújo. De forma geral, ele explica que o descredenciamento é feito por meio de uma carta na qual o médico pede a rescisão de seu contrato com a operadora. “Cada contrato tem um prazo para que esse desligamento ocorra, variando de 30 dias a 90 dias. Durante esse tempo, o médico continua atendendo normalmente os pacientes daquele plano. Só depois do fim do prazo é que ele pode deixar de atendê-los”, explica Araújo. Orientação Em caso de descredenciamento de seu médico, o promotor Clayton Maranhão, da Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor de Curitiba, recomenda que o usuário: - Busque alternativas dentro da mesma especialidade com seu plano de saúde. - Caso tenha de pagar por uma consulta, guarde o recibo e peça ressarcimento à operadora. - A negativa da operadora, se existir, deve ser recebida por escrito pelo paciente. Com isso, ele poderá procurar a ANS ( 0800-7019656 ) e fazer uma denúncia. - Se o caso não for resolvido administrativamente com a ajuda da ANS, procure o Juizado Especial para exigir o reembolso. Após o descredenciamento, o médico tem total liberdade de definir o preço da sua consulta, mas, a julgar pelas negociações da Comissão Estadual de Honorários Médicos, o valor deverá ficar em torno dos R$ 100. Atualmente, os planos pagam, em média, R$ 45 aos profissionais. Operadoras O presidente da Fundação Copel, Hélio Pizzatto, informou por meio da assessoria de imprensa da entidade que tem mantido reuniões regulares com a AMP, mas, até agora, não se concluiu o acordo. O mesmo ocorre com os cirurgiões cardiovasculares, que têm cooperativa própria. No caso dos urologistas, um acordo já teria sido firmado. A Fundação não quis divulgar valores. Por se tratar de uma cooperativa, os médicos que fazem parte da Unimed Curitiba ou das outras 21 unidades do Paraná teriam de propor uma assembleia para discutir a questão dos honorários por meio de uma convocação pela maioria do conselho fiscal, ou ainda um abaixo-assinado com determinado número de assinaturas. “Há um descontentamento grande em relação à Unimed, principalmente porque ela é dos médicos e acaba servindo de referência quando os profissionais sentam à mesa para negociar com as operadoras de outros segmentos”, diz a diretora de Defesa Profissional da Associa ção de Obstetrícia e Ginecologia do Paraná (Sogipa), Dulce Cristina P. Henriques. Os cerca de 70 anestesiologistas que, segundo a Sociedade Parana ense de Anestesiologia, já pediram sua saída da Unimed Curitiba têm reunião marcada com a operadora na próxima segunda-feira na Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor de Curitiba. Segundo o promotor Clayton Maranhão, há risco de que esse desligamento tenha impacto em quatro hospitais da cidade. A Amil informou, em nota, que a ampliação de sua rede credenciada é constante e que a operadora “valoriza o relacionamento com a classe médica, tanto que disponibiliza uma equipe totalmente dedicada às questões da rede credenciada, mantendo um canal de diálogo constante e ativo”. Mas continuam pagando muito mal os médico.

Deixar comentário